Olá ! Sejam Bem Vindos | TELEFONE: (44) 3264-2018

HomePortal de NotíciasApós denúncias de abuso a nove alunas, professor suspeito continuou dando aulas em Maringá

Após denúncias de abuso a nove alunas, professor suspeito continuou dando aulas em Maringá

Após denúncias de abuso a nove alunas, professor suspeito continuou dando aulas em Maringá

O professor de uma escola municipal de Maringá, no norte do Paraná, suspeito de abusar de nove alunas, foi transferido de escola e continuou dando aulas por 40 dias após o recebimento da primeira denúncia pela Secretaria de Educação.

O inquérito sobre o caso foi concluído nesta quinta-feira (21) pela Polícia Civil, e o professor, que está preso desde 14 de fevereiro, foi indiciado por estupro de vulnerável e por tentativa de estupro de vulnerável.

Um documento da Secretaria de Recursos Humanos de Maringá comprova que o professor de educação física foi transferido de uma escola para outra no fim do ano, logo depois que a Secretaria de Educação tomou conhecimento das denúncias de abuso, em outubro de 2018.

Quando o caso se tornou público, a prefeitura informou que o servidor havia sido afastado. Sem citar a transferência.

Indignada e preocupada, uma mãe de aluna da rede municipal de ensino de Maringá, que não quer ser identificada, disse que o professor estava dando aula na escola onde a filha dela estuda.

“Ele estava dando aula de novembro até o final do ano letivo, então, praticamente, quase dois meses, um bimestre dando aula (…) é uma escola municipal, então há crianças do primeiro ao quinto ano. Eu fiquei indignada, revoltada. Porque colocou em risco muitas crianças”, afirmou

A Polícia Civil só foi informada sobre o caso em janeiro deste ano. E isso, por iniciativa de familiares de supostas vítimas. Foi a avó de uma aluna que foi até o Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) para denunciar o professor.

Segundo a delegada Karen Friedrich, várias testemunhas, incluindo as crianças, foram ouvidas e, antes mesmo do inquérito ser concluído, a delegada responsável, pediu a prisão do professor.

“Essas crianças relatam que esse professor praticava atos libidinosos, diversos de conjunção carnal, consistentes em beijar, tentar beijar, passar a mão em partes íntimas e também causando um grande terror às vítimas porque ele disse que chamaria os pais à direção, caso essas crianças relatassem algo aos familiares”, afirmou a delegada. O número de crianças que relataram abusos subiu de oito para nove após a prisão.

A pedido da RPC Maringá, a advogada Aline Casado estudou o caso e concluiu que a Secretaria de Educação não tomou a providência correta, levando em conta o estatuto do regime jurídico dos servidores municipais e a gravidade da situação.

“A administração pública poderia ter afastado esse servidor por 60 dias, sem prejuízo do recebimento da remuneração. E esse período ainda poderia ter sido prorrogado por mais 60 dias. O fato é que a administração pública resolveu que esse servidor poderia ser simplesmente transferido e foi colocado em contato com outras crianças. As denúncias são no sentido de que talvez ele tenha praticado um ato criminoso com as crianças e isso deveria ter sido observado pela Secretaria de Educação”, pontuou.

Em nota, a Prefeitura de Maringá disse que a decisão de deslocar o professor para outra unidade, e não afastá-lo das atividades, seguiu o entendimento de que era preciso apurar com mais rigor as circunstâncias da denúncia, devidamente registrada em ata e comunicada ao Conselho Tutelar.

“De imediato foi instaurada sindicância para apurar os fatos, seguindo trâmite legal nesses casos. Lembrando que naquele momento (final de outubro), a apuração restringia-se a um único caso. A direção da escola só tomaria conhecimento de outras denúncias envolvendo o professor no início de janeiro, quando ele foi afastado das atividades”, diz a nota.

O Conselho Tutelar informou que o município não informou sobre a transferência do professor para outra escola.

Fonte: G1 Paraná.

Compartilhar