Olá ! Sejam Bem Vindos | TELEFONE: (44) 3035-7476

HomePortal de NotíciasApós abalo sísmico na Bolívia, prédios em cidades do Paraná são evacuados

Após abalo sísmico na Bolívia, prédios em cidades do Paraná são evacuados

Após abalo sísmico na Bolívia, prédios em cidades do Paraná são evacuados

Tremores de terra foram sentidos em várias cidades do Paraná por volta das 10h desta segunda-feira (2).

De acordo com o Corpo de Bombeiros, prédios foram evacuados em Umuarama, na região noroeste, Maringá, no norte, e em Cascavel, na região oeste. Com menos intensidade, os abalos também foram sentidos em Cianorte, no noroeste, e em Londrina, no norte.

Segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), o tremor foi reflexo de um terremoto de magnitude 6,8 ocorrido na Bolívia. Outras cidades brasileiras também sentiram o abalo, foi o caso de São Paulo e Brasília.

Norte e noroeste

Em Umuarama, o tremor foi sentido com mais intensidade por pessoas que estavam nos últimos andares de um prédio localizado no centro da cidade. O prédio foi evacuado logo depois.

“Estava no sexto andar, conversando com a outra secretária, quando senti a cadeira balançar. Comentei com a minha colega, mas demoramos para acreditar. Logo, veio mais comentários de pessoas do prédio que sentiram o tremor. Então decidimos deixar o prédio por segurança”, diz a secretrária Alessandra Barbosa Silva.

Em Maringá, o Fórum foi evacuado após os servidores sentiram o prédio tremer.

Em Londrina e Cianorte, os bombeiros informaram que receberam ligações de moradores relatando que sentiram os prédios tremer, no entanto não há registro de locais evacuados.

Oeste e Sudoeste

Em Cascavel, moradores de dois prédios deixaram os locais. O Corpo de Bombeiros informou que o prédio da corporação também sentiu o abalo, no entanto não precisou ser evacuado.

A Defesa Civil em Cascavel foi acionada para avaliar as estruturas dos prédios. Um engenheiro vai verifica as possíveis patologias nas edificações.

O professor do departamento de Geociências da Universidade Estadual de Londrina (UEL), João Paulo Pinese, disse que os abalos registrados no Paraná não compremetem estruturas de edifícios.

“Na cidade boliviana onde aconteceu o abalo deve ter ocorrido muitos estragos. Aqui, a intensidade do tremor não causa perigo, no máximo balança lustres, copos ou espelhos, por exemplo”, explicou.

Fonte: G1 Paraná.

Compartilhar